Antigua e Barbuda e Portugal, os mais populares

2022-10-10T07:00:00.0000000Z

2022-10-10T07:00:00.0000000Z

Media Nova

https://mediaquiosque.pressreader.com/article/282136410333166

ÁFRICA

Em 2022, houve um significativo aumento do interesse pelo investimento via migração na Nigéria, que foi o principal país africano em termos de número de pedidos de informação recebidos no primerio trimestre, ultrapassando a África do Sul, que ficou em segundo lugar, seguido pela Argélia, Egipto e Marrocos, que compõem o resto dos cinco primeiros. Regista-se também um aumento do interesse de países no Norte de África este ano, particularmente de cidadãos da Argélia e Tunísia. Até ao fim do primeiro trimestre de 2022, a Henley & Partners tinha recebido 63% dos pedidos feitos por argelinos em todo o ano de 2021, e uns notáveis 70% de pedidos da parte de tunisinos. Segundo a H&P, os primeiros três programas de investimento via migração para os quais os investidores africanos se candidataram no ano passado foram o programa de Cidadania via Investimento de Antigua e Barbuda, o Programa de Vistos Gold de Residência de Portugal e o Programa de Cidadania Via Investimento de St.kitts e Nevis. Em 2022, enquanto os programas de Antigua e Portugal se mantêm nos dois primeiros lugares, o Programa de Cidadania Via Investimento do Montenegro na Europa subiu para o terceiro lugar em termos de candidaturas – o que, segundo a H&P, “é uma interessante nova tendência para ter em atenção”. No que se refere concretamente aos pedidos de cidadãos africanos, a Antigua e Barbuda é a sua preferência de topo. Continua a ser um dos programas mais competitivos das Caraíbas com opções a começar nos 100 mil dólares americanos, na forma de contribuição não reembolsável para o Fundo de Desenvolvimento Nacional da nação de duas ilhas. Há também uma atraente via de investimento em imobiliário com um valor mínimo de 200 mil dólares, que deverão ser mantidos pelo menos durante cinco anos. Em troca, os candidatos bem sucedidos beneficiam da aquisição de cidadania de um país que tem uma posição bastante elevada no Henley Passport Index, com acesso livre de vistos para cerca de 150 destinos incluindo a Zona Schengen da Europa, Hong Kong, Singapura e Reino Unido. A maior parte destes programas de investimento via migração permitem aos investidores incluir membros da famíia nas suas candidaturas, e alguns permitem a inclusão de parentes de primeiro grau, pais e avós incluídos, tornando estes programs num mecanismo ideal para proteger os seus familiares, assegurando-lhes opções em termos de onde podem viver, estudar e reformar-se. O relatório destaca o caso do programa de Vistos Gold de Portugal como um dos mais populares entre os investidores africanos de Renda Elevada, o qual além de garantir direitos de residência e trabalho no país, dá a possibilidade de solicitação de cidadania depois de cinco anos como residente legal, mentendo a(s) sua(s) outra(s) cidadania(s). Crescimento de 38% em África na próxima década Em termos de oferta, como o segundo de apenas dois programas de investimento via migração em África, o Programa de Residência Via Investimento das Maurícias está a atrair um grande interesse por parte dos investidores. Na última década, as Maurícias foram o mercado de crescimento mais rápido em Áfrrica em termos percentuais, com um crescimento de 74% entre 2011 e 2021. A nação multicultural do Oceano Índico tem também o mais elevado rendimento per capita em África, equivalenete a 34,500 dólares. Os programas de migração via investimento como os que são oferecidos pelas Ilhas Maurícias e Portugal, que incluem a opção de investimento em imobiliário e a possibilidade de obtenção de direitos de residência e de cidadania, são particularmente populares entre os investidores africanos, segundo o relatório. A New World Wealth prevê um crescimento de 38% da riqueza em África na próxima década, e vários estados da África Oriental destacam-se – com mais de 60% de crescimento esperado no Uganda e Rwanda até 2031, e acima dos 50% no Quénia e na Zâmbia. Este aumento deverá impulsionar a indústria de migração via investimento em todo o continente. A juntar aos benefícios tradicionais de maior mobilidade global, para os investidores africanos, os programas de residência e cidadania via investimento oferecem, de acordo com os executivos da H&P, “uma diversificação estratégica em termos de gestão financeira e de património e opção por domicílio, e muitos programas também incluem a opção de investir em imobiliário, o que em si mesmo tem múltiplos redimentos.” Os países da Àfrica Austral predominaram como mercados em crescimento no continente, em 2021. O Zimbabwé registou o maior nível de crescimento em 2021, com um notável de de 48% nos pedidos de 2021 comparados com 2020. A vizinha África do Sul ocupou o segundo lugar no nível de crescimento, com um aumento de 40% de informação, batendo o recorde de pedidos do género de cidadãos sul-africanos à empresa H&P.

pt-ao