24 MIL MORTES PREMATURAS EM DHAKA DE 2005-2018

2022-08-01T07:00:00.0000000Z

2022-08-01T07:00:00.0000000Z

Media Nova

https://mediaquiosque.pressreader.com/article/282312503851604

AMBIENTE

Um estudo publicado em Abril na Science Advances estimou que houve 24 mil mortes prematuras em Dhaka, entre 2005 e 2018, devido à poluição do ar. Essa foi a mais alta entre as 46 cidades estudadas. Entre as 15 cidades mais poluídas do mundo, a maioria na Ásia, Dhaka registrou o maior aumento no número de mortes prematuras. Carros, caminhões e autocarros, “fábricas” de energia e equipamentos off-road emitem dióxido de nitrogênio, o segundo poluente mais mortal, segundo a OMS. As emissões de NO2 triplicaram em Chattogram e duplicaram em Dhaka durante o período de estudo. As emissões de outro poluente, compostos orgânicos voláteis não metano (NMVOCS), também aumentaram em ambas as cidades. “Se o futuro imitar o passado, a transição para a sensibilidade aos NMVOCS pode ocorrer em 2025 em Chittagong e Dhaka”, diz o estudo. Haque, do Departamento do Meio Ambiente, concordou que as emissões de veículos, poeira industrial, queima de resíduos a céu aberto, actividades de construção em larga escala e, mais importante, fornos de queima de tijolos são os principais contribuintes para a poluição do ar. “O governo tomou iniciativas para derrubar olarias convencionais e emitiu uma notificação para o uso de blocos de concreto, em vez de tijolos convencionais, em projectos governamentais. Até 2025, o governo vai usar blocos de concreto de forma obrigatória em todos os sectores, excepto na construção de estradas”, disse. Haque acrescentou que a situação deve melhorar nos próximos anos, uma vez que a construção de vários megaprojectos seja concluída no próximo ano. Um forno de tijolos fora de Dhaka. Os fornos de queima de tijolos são um dos principais contribuintes para a poluição do ar em Bangladesh. Imagem de Scott Wallace / Banco Mundial via Flickr ( CC BY-NC-ND 2.0 ).

pt-ao